The Bike Maker

O Made by Hand é um projetos mais legais que eu costumo acompanhar. A ideia dos criadores é “promover tudo que é feito localmente, de forma sustentável e com um imenso amor pelo ofício”. Neste episódio, The Bike Maker, o quinto da série, o protagonista é Ezra Caldwell, diagnosticado com câncer em 2008.

Veja, veja todos. Um atrás do outro.

Rock stars, ninjas, gurus e jedis me envergonham um pouco

O fenômeno ainda não é muito comum entre nós, mas o mercado internacional sofre, há um bom tempo, uma avalanche de títulos esdrúxulos dentro de certas áreas digitais, especialmente as que envolvem funções criativas. São jedis, gurus, rock stars, ninjas e até alguns samurais desenvolvendo aplicações em Java, criando sites em HTML5, adaptando layouts para dispositivos móveis, gerenciando perfis em redes sociais, enfim, tentando transformar tarefas banais em pequenas epopeias.

Quando não está nos palcos, Mick Jagger gosta de desenvolver temas em WordPress
Quando não está nos palcos, Mick Jagger gosta de desenvolver temas em WordPress

Bem, a lógica é simples: você compõe músicas e ganha dinheiro com elas? Tocou hoje com sua banda em um estádio lotado de fãs? Acordou pelado com mais três pessoas na cama? Não? Então, obviamente, você não é um rock star. Pior que isso, definir-se dessa ou de alguma das outras formas já mencionadas apenas indica que algo está errado ou, no mínimo, um pouco fora do lugar. Afinal, se você realmente é o ninja do WordPress, o rock star do design, o jedi do CSS3, o samurai dos hot dogs, o Jesus do boliche, em suma, o guru do bagulho, não há necessidade alguma em reafirmar o que provavelmente todos já sabem.

Enquanto a sua reputação não falar por você, por favor, guarde o sabre de luz e o shuriken. Melhor evitar acidentes, não?

Paul Miller não aprendeu muita coisa

Paul Miller, um ano atrás, desconectara da internet. Alegando estar exausto com a quantidade de informação e com as constantes interrupções modernas (celulares apitando, posts sendo curtidos, menções no Twitter etc), Miller, redator de tecnologia do The Verge, aceitou o desafio de ficar um ano offline. A vontade de se encontrar novamente, de reconectar-se e de ser uma pessoa melhor acabou se transformando, ao final da experiência, em uma conclusão negativa. O problema? Bem, o problema talvez tenha sido esse aqui:

Meu plano era me demitir, ir morar com meus pais, ler livros, escrever livros e me chafurdar em meu tempo livre.

Francamente, isso não soa como um plano. Sem um plano de verdade, sem um objetivo, tudo se perde, e até mesmo um experimento tão bacana como esse acaba sendo engolido pelos mesmos velhos hábitos. Miller demorou um ano para perceber que não se pode culpar as circunstâncias. Você não precisa do melhor lápis para começar a desenhar; você só precisa desenhar.

Há 50 anos

f37_09120159
Estudantes brancos, em Birmingham, Alabama, arrastam um boneco afro-americano pela West School High End, em 12 de setembro de 1963. Duas meninas afro-americanas freqüentavam a escola não segregada e, por isso, a maioria dos estudantes brancos não estava indo às aulas. A polícia parou esse carro em uma caravana segregacionista em frente a escola para alertá-los sobre alta velocidade e uso de buzinas em frente a uma instituição.

Henry Rollins falou, tá falado

I beg young people to travel. If you don’t have a passport, get one. Take a summer, get a backpack and go to Delhi, go to Saigon, go to Bangkok, go to Kenya. Have your mind blown. Eat interesting food. Dig some interesting people. Have an adventure. Be careful. Come back and you’re going to see your country differently, you’re going to see your president differently, no matter who it is.  Music, culture, food, water. Your showers will become shorter. You’re going to get a sense of what globalization looks like. It’s not what Tom Friedman writes about; I’m sorry. You’re going to see that global climate change is very real. And that for some people, their day consists of walking 12 miles for four buckets of water. And so there are lessons that you can’t get out of a book that are waiting for you at the other end of that flight. A lot of people—Americans and Europeans—come back and go, Ohhhhh. And the light bulb goes on.
Henry Rollins

Dá pra ler a entrevista completa no World Hum.

Os smartphones e a cultura da distração

Há alguns meses, tive meu telefone furtado. É que às terças jogo futebol, e numa dessas terças o meu velho celular era o encarregado de marcar o tempo. Só fui lembrar dele em casa, uma hora depois, quando percebi que o desgraçado não estava na minha mochila. “Coisas da vida”, como disse o camarada Kurt Vonnegut.

Continue lendo “Os smartphones e a cultura da distração”

“The Light Bulb Conspiracy”, ou por que você deve parar de consumir coisas como um imbecil

Obsolescência programada: o desejo do consumidor de possuir algo um pouco mais novo, um pouco melhor, um pouco antes do necessário.
Brooks Stevens

Não há muito mais o que falar sobre The Light Bulb Conspiracy, encontrado aqui como Comprar, Trocar, Comprar; a frase acima resume bem o documentário da diretora Cosima Dannoritzer, que fez uma bacana pesquisa sobre como a prática da obsolescência programada vem mudando a sociedade há algumas décadas. Bom pra cacete. Se você é um desses seres que trocam de iPhone a cada novo lançamento, tá mais do que na hora de repensar a vida, meu chapa.