Para compartilhar #2

O single de Come as You Are lançado pela Folha gratuitamente

Em 1992, o jornal Folha de S.Paulo presenteou os seus assinantes com um disco de uma banda até então desconhecida. Num domingo daquele ano, os fiéis leitores receberam junto com a edição do diário um vinil de um tal de Nirvana. E, veja bem, não era o Nevermind, disco lançado em setembro do ano anterior, que já estava bombando na gringa. Era “Come As You Are”, segundo single daquele álbum. O presentinho foi feito em vinil. EM VINIL.

Baita reportagem da Vice sobre uma história que nem eu, viciado da porra, sabia sobre a banda.

Neutralidade da rede garantida no Brasil?

De acordo com o NIC.br, o fim da neutralidade da rede nos Estados Unidos não deve gerar consequências ao Brasil. Resta garantir que o Marco Civil se mantenha de pé mesmo com tentativas de flexibilização sendo propostas pelas teles.

Para mais informações, recomendo também o site Direitos na Rede.

Quanto ganha um magistrado?

Um rapaz muito bacana extraiu os contracheques de todos os magistrados disponíveis no site do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e gerou um arquivo CSV que mostra que algun dos salários chegam a mais de R$ 100 mil.

O Facebook te entende: Usain Bolt me oferecendo Advil

Uma recente matéria do Tecnoblog traz mais uma vez algum bacanão do Facebook dizendo que a rede social não fica bisbilhotando a sua vida, e que toda a propaganda que você julga direcionada não passa de teoria da conspiração ou, em menor escala, um alinhamento oportuno dos astros.

Lembrei então que tinha feito uns prints da primeira vez que a rede social mais arrombada do mundo resolveu me recomendar, durante um papo com o meu pai entre um e outro jogo de futebol na TV, um produto que poderia acabar com as minhas dores pós-exercício:

Pois é.

Meu pai, após falar Advil umas quinze vezes na frente do meu telefone, aparentemente invocou o Usain Bolt e o seu medicamento número um.

Como tudo é aprendizado, amigos e amigas, se você estiverem com dor de cabeça, dor nas costas, dor muscular, cólica menstrual ou gripe, saibam que esse é o remédio ideal. E que o Facebook, claro, não usa seu microfone para direcionar anúncios.

Eu nunca tinha usado a palavra Advil na minha vida, porra.

Álbuns clássicos no Paint

Graças ao anúncio da Microsoft sobre aposentar o Paint, o criador do Public Collectors, Marc Fischer, compartilhou novamente sua compilação de capas de discos feitas usando o MS Paint e outros programas similares. Oriundas de fóruns antigos de sites de música, a coleção disponível no Flickr é extensa e conta com muitas ilustrações bacanas.

E o pior é que a Microsoft nem bem anunciou o fim do Paint e já voltou atrás.

Veja o álbum completo no Flickr, além de mais coisas bacanas no Public Collectors.

 

Brazil ilustrado

Folhear de um dispositivo móvel as páginas amarelecidas da obra editada no século 16 de Hans Staden – viajante alemão que esteve no Brasil por duas vezes combatendo nas capitanias de Pernambuco e de São Vicente – é uma aventura que, até há pouco tempo, era inimaginável. Pois bem. Esse livro e outras 2.999 obras que José Mindlin colecionou dos 15 aos 95 anos de idade podem ser apreciados graças à nova plataforma criada pela Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP.

Fora a experiência de Hans Staden, também disponível em Português, há digitalizações da obra de Padre Anchieta, que tentou documentar a língua falada pelo Brasil indígena, além de antigos almanaques e ilustrações.

Veja mais informações no jornal da USP ou visite diretamente a biblioteca digital.

Trabalhando com usuários no WordPress.com: minha palestra no 12º Curitiba WordPress meetup

No dia 20/07, eu dei uma palestra no 12º Curitiba WordPress meetup onde falei um pouco sobre a Automattic, o meu atual trabalho como Happiness Engineer e sobre o processo de seleção dentro da empresa. Foi uma conversa longa (quase 2 horas intercaladas com ótimas questões) e o pessoal pareceu bastante interessado no trabalho de suporte a usuário.

Entre os tópicos tratados, estavam:

  • A Automattic como uma empresa distribuída
  • Trabalhando com suporte – como é o dia-a-dia de um Happiness Engineer
  • O processo de recrutamento (antes, durante e depois do teste)
  • Trabalho remoto

Abaixo, os slides da conversa:

//speakerdeck.com/assets/embed.js

Hospedei meu site de 1999 no GitHub

Foi em 1998, se não me falha a memória, a primeira vez que eu acessei a internet de um computador da casa dos meus pais. Inspirado pelo site que meu vizinho e amigo na época mantinha do seu clã de Quake, resolvi dar meus passos. Comecei a dividir meu tempo livre entre jogar basquete, ir ao fliperama, ouvir bandas novas e entender a tal da internet.

Como muitos dos moleques nascidos nos anos 80, tive o Nirvana como banda favorita, então fazer um site sobre Cobain e companhia foi a primeira coisa que passou pela minha cabeça. Proveniente de uma estrofe de Drain You, chamar o site de Poison Apple foi uma escolha tanto por estima quanto exclusividade: não havia eu encontrado, na época, nenhuma ~homepage~ com esse nome. Comecei a mexer no FrontPage, instalei o PaintShop Pro e corri pro abraço. O conteúdo se resumia a transcrições de revistas, traduções (a sessão Lista de Músicas, por exemplo, foi retirada do The Internet Nirvana Fan Club e alguns textos próprios. A ilegalidade tentava imperar, mas os servidores do FortuneCity removiam religiosamente as mp3 que eu tentava subir.

Incrivelmente, o site ainda está hospedado no Angelfire. E para garantir que ele não se perca, criei um repositório no GitHub, onde posso guardar essa pequena lembrança sem o medo de exclusões não requisitadas. O site, inclusive, já está rodando lá.

Daquela antiga internet é possível encontrar quase tudo: a splash page, os avisos de resolução ideal, o menu-imagem feito com <map>, os frames e, ironicamente, o copyright. Só senti falta do gif giratório.

Nirvana spinning smiley

Pronto, agora tou feliz.

OS X 10.10 Yosemite Local Development Environment: Apache, PHP, and MySQL with Homebrew

Se você está fugindo do MAMP para usar esta solução com o Homebrew, aproveite para copiar seus bancos antigos (o MAMP os salva em /Applications/MAMP/db/mysql) para /usr/local/var/mysql, o diretório padrão usado a partir de agora.

No terminal, digite:

$ cp -vR /Applications/MAMP/db/mysql/* /usr/local/var/mysql/

Após isso, basta reiniciar o MySQL:

$ brew services restart mysql