Descobertas musicais de 2016 ou: eu já fiz listas assim antes, mas nunca as publiquei

Meu amigo Michel, arrisco dizer uns dez anos atrás, gravou um CD bastante peculiar. Por talvez obra do álcool ou apenas graças a um gosto doido pela mistura de elementos que não foram feitos para andar de mão dada – o que poderia ser facilmente comprovado em nossas experiências culinárias, o CD-R da Sony continha uma seleção tão ímpar que fica até difícil de descrever: começando com música gauchesca, a lista passava por um funk proibidão, seguido de uma piada do Ari Toledo e alguma música do Nightwish apenas reconhecida por fãs de Nightwish. Tudo isso em sequência, sem vergonha de ser feliz. Era como se, a cada faixa nova, você fosse transportado para um novo universo ainda mais bizarro que o anterior.

Inspirado por essa obra vanguardista, resolvi então compartilhar as belas descobertas feitas neste belo ano, que incluem músicas registradas graças ao Shazam, algumas recomendações do próprio Spotify e dicas de amigos e amigas. A playlist abaixo talvez soe meio amigo-vira-DJ-no-fim-da-festa, mas garanto que é de coração.

For the love of you

Certa vez, buscando novos discos de funk para ouvir, me deparei com um álbum chamado Darker Than Blue: Soul From Jamdown, uma coletânea de regravações R&B executadas apenas por músicos jamaicanos. Nunca tive o reggae como meu estilo musical favorito, mas versões como a que John Holt fez para For the Love of You, dos Isley Brothers, me pegaram de jeito.

Essa música me faz pensar em coisas boas.