Hospedei meu site de 1999 no GitHub

Foi em 1998, se não me falha a memória, a primeira vez que eu acessei a internet de um computador da casa dos meus pais. Inspirado pelo site que meu vizinho e amigo na época mantinha do seu clã de Quake, resolvi dar meus passos. Comecei a dividir meu tempo livre entre jogar basquete, ir ao fliperama, ouvir bandas novas e entender a tal da internet.

Como muitos dos moleques nascidos nos anos 80, tive o Nirvana como banda favorita, então fazer um site sobre Cobain e companhia foi a primeira coisa que passou pela minha cabeça. Proveniente de uma estrofe de Drain You, chamar o site de Poison Apple foi uma escolha tanto por estima quanto exclusividade: não havia eu encontrado, na época, nenhuma ~homepage~ com esse nome. Comecei a mexer no FrontPage, instalei o PaintShop Pro e corri pro abraço. O conteúdo se resumia a transcrições de revistas, traduções (a sessão Lista de Músicas, por exemplo, foi retirada do The Internet Nirvana Fan Club e alguns textos próprios. A ilegalidade tentava imperar, mas os servidores do FortuneCity removiam religiosamente as mp3 que eu tentava subir.

Incrivelmente, o site ainda está hospedado no Angelfire. E para garantir que ele não se perca, criei um repositório no GitHub, onde posso guardar essa pequena lembrança sem o medo de exclusões não requisitadas. O site, inclusive, já está rodando lá.

Daquela antiga internet é possível encontrar quase tudo: a splash page, os avisos de resolução ideal, o menu-imagem feito com <map>, os frames e, ironicamente, o copyright. Só senti falta do gif giratório.

Nirvana spinning smiley

Pronto, agora tou feliz.

Prototipação com Jekyll e Foundation: um pequeno estudo para partidos políticos


Uma ótima atualização: pelo visto, o Foundation 6 virá com essa ideia já embutida


 

Uma discussão recorrente entre mim e meus amigos é a questão da prototipação de um site. Como mostrar um wireframe que reflita o uso do site? Como que essa estrutura montada pudesse ser utilizada como começo de algo real? E, para este específico caso, como fazer isso de forma aberta?

Há inúmeras ferramentas para criação de wireframes: Axure, iPlotz, Balsamiq e, mais recentemente, plataformas robustas como Macaw, Webflow e UXPin. Tive contato com algumas, já por outras eu passei batido. Em outros momentos, tentei fazer pequenos wireframes funcionais diretamente em uma estrutura de tema do WordPress com a ajuda de algum framework como Bootstrap ou Foundation e gostei do resultado — o cliente consegue ver o site tomando forma, dos tons de cinza do wireframe à aplicação da sua identidade, isso tudo usando conteúdo de verdade. Neste caso, porém, estamos tratando de um projeto menos específico.

A idéia

Comecei a trabalhar em um tema para WordPress voltado a partidos políticos. O Podemos, partido de esquerda espanhol, está sendo usado como referência; não tanto na parte técnica (o site é feito em WordPress e usa o Avada, o tema mais vendido do ThemeForest), mas nas questões de informação, abordagem ao (e)leitor, áreas de interação, financiamento coletivo e transparência das contas. Ah, e por ser de esquerda.

Não satisfeito com as ideias de wireframes de tela, pulei para algo mais palpável, por mais estranho que seja tratar um site através desse adjetivo. O GitHub, por ser o padrão hoje para desenvolvimento e colaboração com código, foi uma escolha natural. A decisão pelo Jekyll, o gerador de sites estáticos, também segue o mesmo caminho: ele é automaticamente processado pelo GitHub dentro da branch gh-pages. Para os grids e estilo base, o escolhido foi o Foundation.

Por falta de uma ideia melhor, o projeto foi publicado sob a alcunha de PRJ. Melhor que o nome, talvez, sejam alguns dos pontos positivos:

  • Funcionalidade: o wireframe é navegável e fácil de se fazer
  • Avaliação imediata do cliente: com a publicação do wireframe diretamente na branch gh-pages, as mudanças já estão disponíveis para comentários e sugestões
  • Reuso: uma estrutura e um estilo base que poderão ser replicados no próprio tema
  • Código aberto, ideias abertas: construir colaborativamente o projeto não é um objetivo, mas parte do processo

Mas nada aparece sem alguns poréns. Ainda há muito conteúdo sendo tratado como código, verdade, e eu poderia usar o Jekyll de forma mais inteligente. Ademais, existe uma certa redundância, já que eu crio páginas e atribuo a elas o layout desejado. Isso tudo, acredito eu, é uma questão de atualização do processo.

Para amanhã

Alguns possíveis próximos passos:

  • Criar um repositório para uma base que possa ser trabalhada separadamente
  • Automatizar tarefas usando um task runner. Definir tarefas de deploy da gh-pages, por exemplo, facilitaria a atualização
  • Criar uma tarefa para substituir as tags do Jekyll pelas do WordPress. Assim, elementos como {% include header.html %}{% include header.html %}{% include header.html %} poderiam, respectivamente, se tornar <?php get_header(); ?><?php get_footer(); ?><?php get_sidebar(); ?>
  • Unir no mesmo repositório wireframe e tema, usando a branch gh-pages para manter online o protótipo

Visite o projeto PJR no GitHub.

 

Pesquisa com os participantes da manifestação do dia 12 de abril de 2015

No Facebook, tem circulado uma pesquisa feita pelo professor Pablo Ortellado, da USP, e pela professora Esther Solano, da UNIFESP, sobre o perfil dos manifestantes que participaram da marcha de 12 de abril de 2015 que, queira ou não, foi marcada por basicamente uma bandeira: o pedido de impeachment da presidente.

É meio assustador verificar como os dados refletem as fotos, os vídeos e as declarações dos manifestantes divulgadas na mídia: dos entrevistados, 77% são brancos e quase metade das pessoas presentes no protesto possui renda superior a R$ 7.880. Acho vergonhoso ver formadores de opinião usando a expressão “elite branca” meio que pra tudo, mas há, talvez, uma razão para isso.

Mais perturbador ainda, quem sabe, é ver a relação das pessoas com os meios de informação. Dois extremos como Paulo Henrique Amorim e Reinaldo Azevedo aparecem com grandes índices de confiança, sendo que os dois só perdem para a diva do cidadão e da cidadã de bem, Rachel Sheherazade. Além disso, mais da metade dos entrevistados diz que se informa em algum nível sobre política via WhatsApp e 47,3% se informam muito pelo Facebook, o que não seria um problema se boa parte das frases absurdas tomadas como verdade pelos entrevistados não tenham se originado em ambas as ferramentas.

A desinformação – ou melhor, a nossa falta de vontade em confirmar fatos e fontes – é a grande vitoriosa. Enfraquece o debate, empobrece os argumentos e, mais do que tudo, nos transforma em papagaios de pirata. Afinal, se hoje se afirma que o bolsa-família “só financia preguiçoso”, entre outras sandices, talvez seja o momento de nos apropriarmos mais da política.

E como disse Bruno Torturra, do Fluxo, em seu perfil no Facebook:

A mídia começa a ser tão responsável quanto vítima nessa altura. Enquanto sofre financeiramente, demite em massa e perde circulação, pode e deve seguir batendo no governo. Que siga à vontade para opinar, pautar e excretar regras em editoriais como é de sua função e direito.

Mas, pela madrugada, e em nome da sua própria subsistência… que ajude a reparar o déficit de educação política com mais reportagem, inteligência, isonomia, apuro e, principalmente, um pouco de cuidado com a frágil sanidade pública.

Porque ao apostar nessa narrativa expiatória da política, a imprensa está investindo em um leitor que, no fundo, não o é.

12 de abril, remodelado

Aproveitei o interesse no assunto e, como pequena distração, recriei a página que foi feita para hospedar os dados da pesquisa. Meu objetivo foi tentar torná-la um pouco mais didática e amigável, fazendo uso de ferramentas abertas de desenvolvimento.

Criei e hospedei a página dentro do GitHub. O código do repositório, batizado de 12deabril, está disponível também.

Gitter, agora gratuito para times de até 25 pessoas

Gitter é uma plataforma de comunicação de usuários do GitHub. O objetivo do aplicativo é melhorar a troca de informações entre pessoas e organizações ao oferecer salas públicas e privadas de conversa e integrar algumas outras boas ferramentas de gerenciamento de projeto, automação e comunicação.

A partir de agora, o Gitter é totalmente gratuito para times de até 25 pessoas. Ilimitadas salas de conversa pública e privada, acesso a todo histórico de conversas e integrações infinitas estão entre as novidades.

Ainda que hoje eu esteja usando muito mais o Slack, o Gitter é uma ferramenta bem bacana de se mexer, principalmente se quase toda a sua comunicação se dá através do GitHub. Vale o teste!

Como atualizar a democracia para a era da Internet?

Neste interessante vídeo, Pia Mancini explica como o DemocracyOS, ferramenta desenvolvida em Buenos Aires, pode ajudar a diminuir os espaços entre leis, representantes públicos e a sociedade civil.

De código aberto, o DemocracyOS já está sendo usado em São Paulo através da plataforma #EuVoto.

O GitHub e os governos

O GitHub anunciou, hoje, o government.github.com, seu site dedicado aos esforços de órgãos públicos que estão usando a ferramenta para compartilhar pequenos trechos de códigos e aplicativos, publicar dados e leis e, de alguma forma, tentar construir colaborativamente uma nova forma de governar.

Caso você não tenha entendido muito e ainda esteja com dúvidas sobre o GitHub e em como ele poderia se encaixar em um governo, esta apresentação do Clay Shirky pode te dar uma luz:

http://embed.ted.com/talks/lang/pt-br/clay_shirky_how_the_internet_will_one_day_transform_government.html

WordPress readme → GitHub Flavored Markdown

Eis uma ferramenta que converte o arquivo readme.txt padrão do WordPress para o Flavored Markdown do GitHub. Para os afoitos, o código está hospedado para que seja possível o uso imediato.

Aproveitando, há também um plugin para o Sublime Text 2 que faz esse serviço sujo pra você.