Uma hora de Melvins ao vivo

Tentei convencer meu amigo Pedro, que já mora fora do país há algum tempo, a desistir do Wacken, o tradicional festival alemão, e dar uma chance ao Hellfest Open Air, marcado para os dias 17 a 19 de junho, na França. Falei que o Wacken deste ano tava parecendo maratona de banda cover em bar de metal, comentário que me obrigou a retrucar as palavras grosseiras que recebi em retorno citando algumas boas apresentações que o Hellfest ofereceria, como Rob Zombie, Ozzy e Iggy Pop com os Stooges. Isso fora Down, Corrosion of Conformity, Melvins, Electric Wizard, Kyuss Lives! e outros nomes de menor importância. Então percebi que estava discutindo sobre festivais de heavy metal, que é meio como debater se é melhor engolir um pastel de Sonho de Valsa ou um crepe suíço recheado com Baton, e isso me fez pensar que o mais interessante a fazer era ficar quieto mesmo.

Espero que esses pouco mais de 60 minutos de Melvins tenham resumido bem o Hellfest. Show grosso, bruto, com dois covers de Alice Cooper (Second Coming & Ballad of Dwight Fry) e uma pequena participação de Phil Anselmo, que não ficou contente apenas em apreciar o show de bico calado e decidiu pular na bateria de Dale Crover pra mostrar que não manja bosta do instrumento.

Hung Bunny / Roman Bird Dog / The Water Glass / Evil New War God / It’s Shoved / Anaconda / Queen / Second Coming / Ballad of Dwight Fry / Sacrifice / Hooch / Honey Bucket / With Teeth / Sweet Willy Rollbar / Revolve / Night Goat